Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Louvor’

Tiago, irmão do Senhor, nos ensina a cantar louvores a Deus quando estamos alegres (Tg 5.13), e Davi, quando passou por um intenso sofrimento, assumiu o compromisso de bendizer a Deus em todo o tempo e de ter o seu louvor sempre nos seus lábios (Sl 34.1). O louvor é uma expressão de alegria, mas também pode coexistir com a dor e até mesmo ser temperado com as lágrimas. Jó disse que Deus inspira canções de louvor até mesmo nas noites escuras. O rei Josafá, quando estava encurralado por inimigos confederados, sentiu medo, pois não tinha força nem estratégia para enfrentar aquela grande multidão que vinha contra ele. Então, buscou ao Senhor e, Deus lhe ordenou a formar um coral, para marchar à frente do exército. Tendo o coral começado a cantar louvores a Deus, o Senhor pôs emboscada contra os inimigos, e eles foram desbaratados (2Cr 20.22). Lucas relata a experiência de Paulo e Silas em Filipos. Vamos examinar o texto de Atos 16.19-34 e aprender três lições sobre o louvor ultra-circunstancial.

Em primeiro lugar, o louvor pode ser antecedido por circunstâncias adversas (At 16.19-24). Paulo e Silas tinham acabado de ser presos em Filipos. Era uma prisão injusta e também ilegal. Injusta porque estavam fazendo o bem e não o mal, e ilegal porque eram cidadãos romanos e foram lançados no cárcere sem qualquer direito de defesa. Mais do que isto, foi uma prisão violenta e desproporcional. Violenta porque os dois servos de Deus tiveram suas vestes rasgadas e depois foram açoitados com varas em praça pública. Seus corpos ficaram feridos e ensanguentados. Desproporcional, porque os missionários foram guardados com toda a segurança, na prisão interior, um lugar sem ventilação, úmido e escuro, com seus pés pesos no tronco, como se fossem criminosos de alta periculosidade. O ambiente era desfavorável e as circunstâncias conspiravam contra qualquer preparação para o louvor.

Em segundo lugar, o louvor pode acontecer nos momentos mais escuros da vida (At 16.25). Paulo e Silas estavam feridos, humilhados, injustiçados e acorrentados com cadeias num porão imundo, cercado de presos perigosos. O sangue escorria de suas chagas, enquanto seus pés estavam presos e acorrentados no tronco. Era meia-noite e a escuridão, como um manto de crepe, cobria aquele lúgubre lugar. A circunstância era medonha e o momento era de dor. Mas, Paulo e Silas em vez de se renderem à murmuração, abriram os lábios para orar e cantar louvores a Deus. O louvor é um ato de confiança em Deus, apesar da adversidade. O louvor não vem das circunstâncias, mas vem de Deus, que está no controle das circunstâncias. O louvor não vem de dentro, vem de cima. É Deus quem coloca em nossos lábios um hino de louvor, mesmo nas noites escuras.

Em terceiro lugar, o louvor pode desencadear intervenções sobrenaturais de Deus na história (At 16.26-34). O louvor que vem do céu, retorna ao céu e desencadeia as gloriosas intervenções de Deus na história. Um terremoto sacudiu a prisão e abriu trancas, ferrolhos e algemas. Os prisioneiros não fugiram, mas o carcereiro tornou-se prisioneiro da graça. O terremoto trouxe libertação para os missionários e salvação para o carcereiro. A pergunta do carcereiro foi específica: “Que devo fazer para que seja salvo?” e a resposta de Paulo e Silas foi clara: “Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e tua casa”. Diante da exposição da Palavra de Deus para o carcereiro e todos os de sua casa, todos foram alcançados pela graça e creram em Deus e foram salvos. Naquela mesma noite foram batizados. Naquela mesma noite, demonstraram transformação de vida, pois aquele que outrora oprimia e açoitava, agora lava os vergões dos açoites de Paulo e Silas. Aquele que estava acostumado a ser rude com os presos e tratá-los como coisas descartáveis, agora torna-se hospitaleiro e recebe os obreiros de Deus em sua casa. Aquele cujo coração já estava insensível, agora coloca uma mesa diante de Paulo e Silas. Aquele que não conhecia a verdadeira alegria em sua incredulidade, agora manifesta grande alegria pelo fato de ter crido em Deus. O louvor é um poderoso instrumento evangelístico. O louvor é um brado de triunfo. Ele não é apenas consequência da vitória, mas, sobretudo, consequência da vitória.

Fonte: http://hernandesdiaslopes.com.br/

Anúncios

Read Full Post »