Feeds:
Posts
Comentários

Arquivo da categoria ‘Estudo Bíblico’

Testemunhando a respeito da nossa fé em Jesus Cristo

E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. (Marcos 16:15)

I- O QUE CRISTO ESPERA DE SUAS TESTEMUNHAS

A. Refletir a imagem de Cristo Jesus.

- Chamados por Deus para sermos semelhantes à Cristo.

Amados, agora somos filhos de Deus, e ainda não é manifestado o que havemos de ser. Mas sabemos que, quando ele se manifestar, seremos semelhantes a ele; porque assim como é o veremos. (1 João 3:2)

- Apesar de representar sacrifício e sofrimento.

Regozijo-me agora no que padeço por vós, e na minha carne cumpro o resto das aflições de Cristo, pelo seu corpo, que é a igreja; (Colossenses 1:24)

Porque para mim tenho por certo que as aflições deste tempo presente não são para comparar com a glória que em nós há de ser revelada. (Romanos 8:18)

B. O mundo precisa ver coerência na vida dos cristãos. Ver vidas transformadas.

C. Dar fruto onde estamos plantados. (Mas os que andavam dispersos iam por toda a parte, anunciando a palavra. -Atos 8:4). De forma espontânea e com paixão.

II. QUE AUTORIDADE TEMOS PARA TESTEMUNHAR?

A. A autoridade da comissão de Jesus.

Disse-lhes, pois, Jesus outra vez: Paz seja convosco; assim como o Pai me enviou, também eu vos envio a vós. (João 20:21)

B. A autoridade da presença do Espírito Santo em nós.

Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da terra. (Atos 1:8)

Então Pedro, cheio do Espírito Santo, lhes disse: Principais do povo, e vós, anciãos de Israel, (Atos 4:8)

III – O QUE DEVEMOS TESTEMUNHAR AO MUNDO?

A. A ressurreição de Cristo e na sua eficácia para a salvação.

E, se Cristo não ressuscitou, logo é vã a nossa pregação, e também é vã a vossa fé. E assim somos também considerados como falsas testemunhas de Deus, pois testificamos de Deus, que ressuscitou a Cristo, ao qual, porém, não ressuscitou, se, na verdade, os mortos não ressuscitam. (1 Coríntios 15:14-15)

B.  Cristo ressurreto em nossa experiência pessoal.

Aos quais Deus quis fazer conhecer quais são as riquezas da glória deste mistério entre os gentios, que é Cristo em vós, esperança da glória; (Colossenses 1:27)

Quem tem o Filho tem a vida; quem não tem o Filho de Deus não tem a vida. (1 João 5:12)

C.  A salvação oferecida a todos. Todo o que crê no evangelho será salvo.

Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. (João 3:16)


IV. POR QUE HESITAMOS EM TESTEMUNHAR? 

Porque, se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, pois me é imposta essa obrigação; e ai de mim, se não anunciar o evangelho! (1 Coríntios 9:16)

A. Inconsistência de nossa vida. Uma vida cristã relapsa é um obstáculo.

B. Polidez equívocada.

C. Não sabemos conduzir uma pessoa a Cristo.

V. COM A MÃO NA MASSA

A. Renovar nossos votos de fidelidade e obediência ao Senhor.

B. Importa mais agradar a Deus do que aos homens.

Então, Pedro e os demais apóstolos afirmaram: Antes, importa obedecer a Deus do que aos homens. (Atos 5:29)

Porque qualquer que, nesta geração adúltera e pecadora, se envergonhar de mim e das minhas palavras, também o Filho do Homem se envergonhará dele, quando vier na glória de seu Pai com os santos anjos. (Marcos 8:38)

C. Alguns lembretes para quem deseja testemunhar acerca de Cristo Jesus:

1. Ore ao Senhor rogando que Ele providencie as oportunidades.

Suplicai, ao mesmo tempo, também por nós, para que Deus nos abra porta à palavra, a fim de falarmos do mistério de Cristo, pelo qual também estou algemado. (Colossenses 4:3)

2. Seja espontâneo. Faça do testemunho um prazer. O Espírito Santo é que dá a provisão.

3. Apresente Cristo, e não a Igreja.

4. Quem converte a pessoa é o Espírito Santo. Nossa tarefa é anunciar.

CONCLUSÃO

Quando testemunhamos nossa fé em Cristo Jesus, algo acontece dentro de nós. A alegria da salvação volta a brotar em nosso coração. Nossa adoração e louvor se tornam muito mais sinceras. Pessoas são evangelizadas, muitas se convertem e acima de tudo Deus é exaltado.

Read Full Post »

Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio. Contra estas cousas não há lei. (Gl 5:22-23)

INTRODUÇÃO:

O AMOR nos leva a focalizar para fora de nós mesmos – Primeiramente em Deus e depois no próximo, considerando o que somos à luz do amor de Deus.

… Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento. .. Amarás o teu próximo como a ti mesmo ” (Mt 22:37- 39; I Co 13:4-8 ).

-DEUS – A TI MESMO (amo o meu corpo, a minha mente e a minha alma) – AO PRÓXIMO (Quero o melhor para as pessoas, como eu quero para mim)

AMOR ÁGAPE

- Não é afeto emocional, sentimento de paixão, mas uma escolha que envolve serviço sacrificial. Todos nós queremos ser amados e fomos mal amados até que o infinito amor de Deus nos alcançou. Por isso, somos amados por Deus para amarmos a Ele e ao nosso próximo.

Nós o amamos porque ele nos amou primeiro. (I Jo 4:19)

Nisto consiste o amor: não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou…. I Jo 4:10

Deus nos dá o exemplo deste amor:

- A PROVA - “Mas Deus demonstra seu amor por nós: Cristo morreu em nosso favor quando ainda éramos pecadores”. (Rm 5:8).

- O CARÁTER SACRIFICIAL - “Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a sua vida pelos seus amigos”. (Jo 15:13).

- O DESAFIO –  “Nisto conhecemos o amor: que Cristo deu a sua vida por nós; e devemos dar nossa vida pelos irmãos”. (I Jo 3:16)

- A PROVISÃO - “E a esperança não nos decepciona, porque Deus derramou seu amor em nossos corações, por meio do Espírito Santo que ele nos concedeu”. (Rm 5:5)

1 – AMPLIANDO A VISÃO

AMOR – O DOM SOBREMODO EXCELENTE 

A igreja de Corinto buscava os dons mais excelentes. Porém, sua escala de valores estava invertida, pois  buscava sinais e dons espetaculares. O cap. 13 demonstra que os dons mais excelentes não são necessariamente os mais espetaculares, e sim os que trazem maior edificação para a igreja.

O capítulo do amor vem dentro do contexto do exercício dos dons espirituais, uma referência clara à centralidade do amor como o dom supremo e o balizador das atividades decorrentes do exercício dos demais dons  mostra que o amor derramado em nossos corações pelo Espírito Santo (Rm 5:5), é extremamente prático e funcional no contexto do Corpo. Cf. I Jo 3:18 – não de palavra, mas de fato e de verdade.

O amor é o caminho e o dom sobremodo excelente que garante a unidade e a edificação do corpo de Cristo.

2 – RETRATO BÍBLICO

1 Coríntios 13:1-7

Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor, serei como o sino que ressoa ou como o prato que retine.

Ainda que eu tenha o dom de profecia e saiba todos os mistérios e todo o conhecimento, e tenha uma fé capaz de mover montanhas, se não tiver amor, nada serei.

Ainda que eu dê aos pobres tudo o que possuo e entregue o meu corpo para ser queimado[26], se não tiver amor, nada disso me valerá.

O amor é paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha.

Não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor.

O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade.

Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.

3 – O QUE O AMOR É (1 Co. 13:4)

Paciente – mesmo sofrendo afrontas e ofensas, não tomar vingança ou retaliações pelas próprias mãos. O amor é o grande amortecedor da nossa limitação humana.

Benigno – brando, gentil e que procura sempre fazer o bem às pessoas – mesmo aos inimigos. Dentro e fora do corpo o exercício dos dons espirituais em amor procura o bem de outros, mesmo dos que se levantam contra nós.

4 – O QUE O AMOR NÃO FAZ (1 Co. 13:4-6)

Aqui temos 8 características restritivas do amor, ou seja, aquilo que o amor não faz enquanto promove a edificação do Corpo de Cristo através do exercício dos dons espirituais.

Não arde em ciúmes (inveja) – Não se ufana (soberba) – Não se ensoberbece (superior) – Não se conduz inconvenientemente (indecorosamente) – Não procura o seu interesse – Não se exaspera (provocar ira) – Não se ressente do mal (não permite rancor).

5 – COMO O AMOR REAGE (1 Co. 13:6)

Diante da injustiça – Reprova – o amor não simpatiza com o mal praticado, mesmo que envolva o meu irmão ou amigo íntimo – errado é errado

Diante da verdade – Regozija-se – há prazer em ver a vontade de Deus prevalecendo, a verdade bíblica, a sã doutrina.

6 – O QUE O AMOR FAZ (1 Co. 13:7)

Sofre e Suporta – quando há perseguição e adversidade o amor é protegido contra tudo como uma capa de chuva ou um escudo.

- Sofrer tem a idéia do presente momento.

- Suportar olha mais para o todo, inclusive o futuro.

Crê e Espera - crer não significa tornar o preto em branco. Quando há evidência, temos que crer no melhor. Quando a evidência é adversa, temos que esperar o melhor.

CONCLUSÃO:

O contexto imediato deste amor é o Corpo de Cristo, a igreja local, o grupo pequeno. Este amor vivenciado no exercício dos dons espirituais acaba transbordando para o mundo perdido à medida que vê Cristo sendo formado em nós.

NOSSO DESAFIO:

Na próxima semana, passe algum tempo identificando alguém que você precisa amar colocando os interesses e necessidades dele antes dos seus. Decida como exatamente você irá expressar o seu amor por essa pessoa.

Nós amamos porque ele nos amou primeiro. Se alguém afirmar: “Eu amo a Deus”, mas odiar seu irmão, é mentiroso, pois quem não ama seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê. (1 João 4:19-20)

Amados em Cristo, o post de hoje sobre Amor é um Guia de Estudo Bíblico elaborado pela Igreja Batista Central de Fortaleza. Você pode usá-lo tanto em reuniões para estudo da Palavra como também em estudo particular.

Veja também:

Longanimidade – Fruto do Espírito (parte 1)

Read Full Post »

Amados em Cristo, a partir de hoje vamos colocar aqui no Vida em Cristo alguns textos que dizem respeito ao Fruto do Espírito. O post de hoje sobre Longanimidade é um Guia de Estudo Bíblico elaborado pela Igreja Batista Central de Fortaleza. Você pode usá-lo tanto em reuniões para estudo da Palavra como também em estudo particular. Bom estudo!

Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio. Contra estas cousas não há lei. (Gl 5:22-23)

1 – INTRODUÇÃO: 

Três Aspectos externos afetam o meu comportamento diante das pessoas (longanimidade, benignidade, bondade) – O fruto é também relacional. Interna e emocionalmente eu posso saber se tenho amor, paz e alegria, mas as pessoas que convivem comigo só podem sentir e avaliar a ação do Espírito Santo na minha vida através de atitudes concretas como esta:

LONGANIMIDADE (makrotumia) = tolerância que suporta injurias e aceita situações de irritação ou dor - O oposto da impaciência. A etimologia sugere “firmeza da alma quando provocada à mudança”.

2 – AMPLIANDO A VISÃO  

Longanimidade e a Ira

Sabeis estas coisas, meus amados irmãos. Todo homem, pois, seja pronto para ouvir, tardio para falar, tardio para se irar. Porque a ira do homem não produz a justiça de Deus. (Tiago 1:19, 20)

O próprio Deus é tardio em irar “Mas tu, Senhor, és Deus compassivo e cheio de graça, paciente e grande em misericórdia e em verdade” Sl 86:15 A IRA Um estado emocional natural nos seres humanos como reflexo da própria indignação divina. Porém, a pecaminosidade faz da ira uma arma destruidora de relacionamentos e da própria pessoa irada. Compreender a ira é fundamental para o exercício da longanimidade.

3 – RETRATO BÍBLICO   

O Longânimo - Pessoa de pavio longo, que não explode com facilidade, sabe esperar o momento certo para falar ou agir sem reagir ou explodir em ira quando provocado.

Deus para com os homens:

Rm 2:4 “Ou desprezas sua…longanimidade?”; 9:22 “Suportou commuita longanimidade os vasos de ira”; I Tm 1:16 “…para que em mim, o principal, evidenciasse Jesus Cristo a sua completa longanimidade”; I Pe 3:20 “…foram desobedientes quando a longanimidade de Deus aguardava nos dias de Noé…”; II Pe 3:15 “…e tende por salvação a longanimidade de nosso Senhor…”

Do homem para com os homens:

Pr 25:15 “A longanimidade persuade o príncipe, e a língua branda esmaga os ossos”; II Co 6:4,6 “Em tudo recomendamo-nos a nós mesmos como ministros de Deus…na pureza, no saber, na longanimidade”; Ef 4:2 “…andeis de modo digno da vocação… com longanimidade…”; Cl 3:12 “Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus… de longanimidade”; II Tm 3:10 “Tu, porém, tens seguido, de perto, o meu ensino…longanimidade”; 4:2 “Prega a palavra…exorta com toda a longanimidade…”

4 – DEFININDO O FOCO

4.1 – Características da Ira

SANTA

Em Ef 4:26,27 Paulo recomenda A IRA sem pecado, isto é, aquele sentimento justo, que reage ao pecado cometido, principalmente contra Deus. Este sentimento foi demonstrado pelo próprio Senhor Jesus quando da purificação do templo. Neste caso, tratava-se de uma manifestação JUSTA e SANTA com o objetivo de corrigir a injustiça cometida contra os gentios, pois o pátio a eles reservado para adoração, estava sendo utilizado para transações comerciais.

Neste caso, o recomendável é a verbalização ou a ação que resulte no restabelecimento da justiça, antes que o sol se ponha. Isto é, não adiar a solução do problema para o outro dia.

PECAMINOSA

Gerada por uma motivação egoísta e infundada pela nossa incapacidade de julgar motivos, avaliar nossos direitos e nos sentirmos inculpáveis e absolutos como Deus. Exemplo: Caim mata Abel -Gn 4:5 e 8

*PARA TESTEMUNHAR:

compartilhe com o grupo uma situação em que você experimentou um momento de IRA sem pecado, onde teve realmente uma manifestação JUSTA e SANTA.

4.2 – Causas e Marcas da Ira

O que pode provocar a IRA:

Palavras duras e ofensivas; Desprezo à opinião do outro; Erros não admitidos; Desvalorização da pessoa; Comentários sarcásticos ou brincadeiras depreciativas; Desconfiança; Pendência não resolvida; Repreensão pública; Forçar atitudes ou ações que provoquem embaraço ou constrangimento; Necessidades ignoradas; Traição; Calúnia; etc.

Marcas da ira incubada:

Ambiente tenso; Atitude argumentativa; Perda de intimidade; Sinais não verbalizados e negativos (cara feia); Somatização.

* PERGUNTAS PARA DISCUSSÃO: 

Diante da lista acima; existe alguma causa não listada que lhe provoca ira? Você é daqueles que fica com a ira incubada, demonstrando marcas desta ira?

4.3 – Consequências da Ira

Destruição da saúde física e mental

Qualquer pessoa que alimenta no seu íntimo um ressentimento (amargura), pode contrair uma série de disfunções psicológicas como: depressão, colite, sangramento ulcerosos, ataques de ansiedade, baixa resistência aos resfriados, deficiência respiratória (asma) e cardíaca. Pesquisas revelam que alguns tipos de câncer derivam de mega-doses de estresse provocado pela IRA INCUBADA. Sendo o ressentimento a provável líder das causas-morte.

Destruição da saúde espiritual

A ira contra o próximo nos leva a tal escuridão, que nos tornamos incapazes de reconhecer o dano que causamos às pessoas. Razão pela qual, muitos cônjuges não entendem e não aceitam o fato de terem causado um grande mal ao outro cônjuge,  até que tudo se desmorone de vez. Além disso, colocamos um véu no nosso relacionamento com Deus.Deixar de orar e ler a Palavra de Deus, perder o desejo de amá-LO e experimentar o gozo, a alegria e o contentamento que só Ele pode dar, são os primeiros sintomas de um coração ressentido. Com isso, muitos filhos de Deus não experimentam paz interior, por ainda guardarem uma ira não resolvida.

*PERGUNTAS PARA DISCUSSÃO: 

Conte para o Grupo:

Você já sentiu claramente as conseqüências físicas e mentais causada pelo ressentimento? E a sua comunhão com Deus já foi de alguma forma afetada por conta de uma relação mal resolvida com alguém?

Leiam juntos 1 Jo 2:9-11 = A ira contínua pode resultar em VIDA SEM A LUZ E A COMUNHÃO COM DEUS.

5 – CONCLUSÃO

Como lidar com a Ira pecaminosa no seu íntimo

A) Compreendendo a sua essência

Na maioria dos casos, a IRA que sentimos é egocêntrica e, portanto, pecaminosa. Entender a sua essência é de fundamental importância para que a eliminemos dos nossos corações. Essencialmente o sentimento de IRA pode ser:

EGOÍSTA

É aquela emoção negativa que sentimos quando uma pessoa ou situação DEIXA de suprir nossas necessidades, IMPEDE a realização dos nossos objetivos, ou FRUSTRA as nossas expectativas.  Nesta hora, tornamo-nos senhores ao invés de servos, incapazes de desenvolvermos o esvaziamento das nossas prerrogativas, como fez o Senhor Jesus ao deixar a sua glória (Fp 2:5-8)

PERFECCIONISTA

É aquela emoção negativa que sentimos ao exigir demais das pessoas, de nós mesmos e até de Deus, alimentando IRA pecaminosa pela nossa intolerância. O pior é que não damos às pessoas a oportunidade que o próprio Deus tem dado a cada um de nós (Mt 6:12; Lam 3:22)

SUSPEITOSA

É aquela emoção maléfica que sentimos  quando desenvolvemos uma suspeição paranóica, isto é, passamos a mal-interpretar atitudes, palavras, posturas, gestos e intenções das outras pessoas. Por exemplo, se alguém não nos cumprimenta, achamos que estamos sendo evitados; se alguém brinca conosco para ganhar a nossa amizade, interpretamos como gesto de depreciação; se estamos injustamente irados com os outros, achamos que os outros é que estão irados conosco. (Mat 7:3-5)

 B) Verbalizando a Ira

VERBALIZAÇÃO. Verbalizar é falar sobre sentimentos feridos, na disposição de perdoar e ser perdoado. Isto pode trazer os seguintes benefícios: Reconhecemos que estamos de fato irados e não ignoramos a fonte de frustração ou desgosto; Perdoamos a pessoa diante de Deus e comunicamos de forma pessoal e direta; Promovemos a edificação do outro quando verbalizamos em amor; Produzimos intimidade entre irmãos ou entre o casal, impedindo que a IRA se manifeste em ações rudes, punitivas e vingativas; Ganhamos o respeito da outra pessoa, pela capacidade de controlar nossas emoções e buscar a reconciliação; Obedecemos ao Senhor; Evitamos o mexerico falando à pessoa o que seríamos tentados a dizer aos outros.

8 – NOSSO DESAFIO: 

Lembretes sobre a Verbalização

A comunicação do ressentimento ou da causa maior da IRA, deve ser feita de forma realística, nunca passiva ou agressivamente. Falar a verdade em amor é o segredo da comunicação (Efe 4:25, 29; Col 4:6); Quando houver impossibilidade de comunicação, não deixe de colocar estes assuntos diante de Deus em oração (Fil 4:6; I Pe 5:7); Evite a vingança pessoal, pois ela é a maneira mais eficaz de acumular IRA.

Deus é o único capaz de julgar com justiça os seus inimigos e os do seu povo (Rm 12:17-21).

Assim como o amor é uma decisão, viver feliz é resultado de uma escolha que fazemos. Não vamos admitir que o ressentimento selvagem destrua um relacionamento construído na base do ” amor compromisso”.

Por essa razão, desde o dia em que o ouvimos, não deixamos de orar por vocês e de pedir que sejam cheios do pleno conhecimento da vontade de Deus, com toda a sabedoria e entendimento espiritual. E isso para que vocês vivam de maneira digna do Senhor e em tudo possam agradá-lo, frutificando em toda boa obra, crescendo no conhecimento de Deus e sendo fortalecidos com todo o poder, de acordo com a força da sua glória, para que tenham toda a perseverança e paciência com alegria… (Cl 1:9-11)

Read Full Post »

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.